domingo, 31 de maio de 2009

Plantão Elas cantam Roberto 2...

Merece elogios a postura da Rede Globo ao exibir a participação de Hebe Camargo, do SBT, no show em homenagem ao rei Roberto Carlos.
E, diga-se de passagem, não foi favor algum: aos 80, Hebe cantou lindamente uma canção densa, dramática e linda! Encheu a tela, o palco e foi merecidamente ovacionada ao fim do número!

Plantão Elas cantam Roberto...

Olhe a foto abaixo e responda:
Wanderléa é Daniela Mercury amanhã???

Sobre A Fazenda 2...

O programa acabou. E reitero tudo o que disse no primeiro post sobre o assunto.
Com duas ressalvas:

1- Britto Jr. está longe de ser o Pedro Bial que a Record queria para comandar o show;
2- O programa foi tão, mas tão chato e ruim que corre o risco de virar cult...
Quanto a segunda ressalva, só me resta chamar nossa velha conhecida e, braços dados com ela, dizer:

Da série: "a pergunta que não quer calar..." 48

Elas cantam Roberto foi um show em homenagem aos 50 anos de carreira de Roberto Carlos.
Então, algum sábio me diga, por que diabos escalaram a Cláudia Leitte pra cantar???

Como desafinou logo na primeira frase, meu Deus!!!

Plantão Pânico na TV!...

Repórter Vesgo aborda Marina Lima na saída do show em homenagem a Roberto Carlos:
- Marina! Marina! Você acha que a força estranha do Caetano é a força...da gravidade???

Na boa, esses caras são sensacionais!

Sobre A Fazenda...

Reality show caipira estreia com ritmo lento, interminável desfile de participantes, apresentador meio desanimado e uma pergunta: será que o público vai embarcar nessa ideia? Será que o bicho vai mesmo pegar?

Bom, o programa ainda tá no ar e, portanto, essa é uma análise parcial do que vi ao longo dessa primeira hora.
Achei chato demais! Não sei se a chuva atrapalhou muito a produção, mas fiquei impressionado com a falta de agilidade nessa estreia. Um programa que promete ser movimentado não pode começar com um interminável desfile de participantes, sem a menor graça e sem dar nenhuma instigada no telespectador. Em mais de uma hora, apenas oito competidores foram apresentados. Leeeeeento...
Britto Jr. era a própria imagem do desânimo. Pra mim, o maior mistério da noite: lento e sem pique, o apresentador parecia pouco afinado com o estilo dos realities shows.
Por enquanto eu tô achando tudo muito arrastado, cansativo e pouco convidativo. A não ser que a Record pretenda dar à sua nova atração o mesmo andamento da vida no campo...

Aos seguidores com carinho...

Tenho o B@belturbo desde 2006. Aqui eu publiquei mais de 2000 textos, conheci muita gente bacana e vivi muitas alegrias.
E me orgulho de ter conquistado uma lista com 24 fiéis seguidores.
Tenho o Twitter há menos de um ano. Até o momento, escrevi 479 tweets, passei a ler o que muita gente interessante escreve. E também já ri bastante do que encontro po lá.
E tenho, até agora, 78 pessoas me seguindo. Mais que o triplo de seguidores do blog...
A diferença é que o Twitter tem esse perfil. Ele estimula uma espécie de busca desenfreada pela popularidade, pela conquista de novos seguidores. Para isso, é preciso seguir muita gente. Quanto mais se segue, mais se é seguido.
Eu não encaro dessa forma. E nem me interessa competir assim. O que me fascina, no Twitter, é ter uma ferramenta para me comunicar com tanta gente de uma só vez. E isso tem sido muito bacana para divulgar, adivinhem...o B@belturbo.
Por isso, chegamos ao final de maio com um marco: esse foi o mês com o maior número de visitas no blog, com um crecimento de cerca de 10% no total de acessos.
Portanto, seguidores - do blog e do Twitter - brigadão!
E vamo que vamo!!!

Spam: o mal do século?

Os provedores de acesso a internet são espertinhos. Tempos atrás, alardearam o fim dos spams com as pastas de quarentena. Segundo eles, as mensagens indesejadas não iriam parar na caixa de entrada do usuário, e, sim, seriam alocadas em pastas de filtragem.
Pura balela! O fim do spam está longe de acontecer! Eu recebo, em média, 40 a 50 mensagens desse tipo! A última, que deletei agora, fazia alusão a um suposto erro na minha declaração de imposto de renda.
Não é possível que com tanta tecnologia ninguém consiga acabar com essa encheção de saco!!!

Outra Noite Preta...

Ontem eu fui a um show de Preta Gil. E fiquei impressionado com a evolução da artista em cena! Cheia de suingue e deboche, Preta se revela muito mais que uma cantora no palco. É uma show-woman cheia de carisma e com um domínio completo do espetáculo.
Festejada pelo público gay - que costuma seguir a artista onde quer que ela vá - Preta mergulhou nesse universo e pinçou gírias e expressões divertidíssimas, que fazem a alegria de todos, independentemente da orientação sexual.
E o repertório segue a mesma linha: lá estão Baba Baby, de Kelly Key; Marrom Bombom, de Os Morenos; Tempos Modernos, de Lulu Santos; e hits do repertório de Preta, como Estéreo e Sinais de Fogo, ambos compostos por Ana Carolina.
Em suma: a Noite Preta é um programão! Quem vai dança, canta e ri muito!!!

sábado, 30 de maio de 2009

Que flagra!

Essa é uma dica do coleguinha Gustavo Melo...
A repórter de uma emissora cearense estava no ar, ao vivo, fazendo uma denúncia sobre o despejo irregular de esgoto. De repente, ela avista um rapaz, que, digamos, não estava colaborando muito pra melhorar a situação...
Olha só:

É, minha gente! Repórter sofre...

Sobre A Fazenda da Record...

O programa nem estreou, portanto essa não é uma crítica. Apenas uma constatação dos duros tempos que vivemos...
Eu fui dar uma olhada na lista de participantes do reality show e vi lá modelos, atores, atrizes, gente da música, da moda...mas o que mais me surpreendeu foi a definição para a, digamos, profissão da Mulher Samambaia.
Creiam: ela é apresentada como uma...planta!
Pelas fotos que já vi da moça, só posso concluir que deve fazer muito sucesso no programa. E deixar muito marmanjo louco pra virar vegetariano...

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Da série: "a luz no fim do túnel é um trem vindo pra cá..." 29

Homem entra na loja de discos. Aproxima-se do vendedor e, cordialmente, pede:
- Por favor, eu queria saber o que vocês têm da Maria Callas...
Ao que o vendedor, empertigado, responde:
- Não é Maria Callas, é Mariah Carey!!!
Um amigo do blog jura que a história é real. E que o vendedor ainda caprichou na pronúncia do inglês...
Cada uma, hein?

Post número...

Incrível...e parece que foi ontem que essa história começou...
Que venham mais 2000!!!

Valeu, Anderson!

Há pouco mais de um ano, citei aqui o trabalho do artista plástico Anderson Thives. Ele tem uma técnica muito interessante - e bonita - de composição de quadros e, no post, até usei uma das imagens produzidas pelo artista.
E não é que o próprio Anderson descobriu o B@belturbo, leu alguns textos, e ainda escreveu um comentário cheio de palavras elogiosas?
Acho que essa é uma das grandes belezas da internet: promover encontros bacanas!
Valeu, Anderson!
Sucesso!
E vamo que vamo!

quarta-feira, 27 de maio de 2009

E elas cantaram Roberto Carlos...


Podem achar piegas, podem achar pouco criativa, podem até dizer que o número é repetitivo - e é um pouco mesmo. Mas achei muito afetiva e carinhosa essa homenagem prestada pelas cantoras que se apresentaram no show realizado na última terça-feira, para celebrar os 50 anos de carreira do Rei Roberto Carlos.
O Brasil é um país de cantoras. E nesse vídeo, estão algumas das mais importantes da MPB. Há, claro, quem pareça ter caído do céu no palco; algo que já havia ficado claro desde a divulgação do elenco. Mas, por outro lado, é muito bacana ver personalidades, timbres e estilos tão diferentes, num mesmo palco, homenageando o cantor mais popular do Brasil.
Eu destaco Hebe Camargo - ovacionadíssima! -, Nana Caymmi, Fafá de Belém e Alcione. E não destaco pela voz nem pela afinação, mas pela segurança ao dividir o palco com a Majestade.
Ivete brincou com a divisão e fez uma participação bonitinha. As outras baianas não arriscaram e, até por isso, não comprometeram. Luiza e Zizi Possi estiveram corretas. Ana Carolina - aliás, uma das mais aplaudidas da noite - mandou bem. Marina não tem mais voz, infelizmente. E Sandy carrega a mesma voz da época de Maria Chiquinha. Impressionante!
Agora, a ideia de espremer todo o elenco num praticável minúsculo foi meio infeliz. As cantoras parecem amontoadas e isso, certamente, vai comprometer o resultado do Dvd que vem por aí...

Criatividade? Pra quê?

Nas manhãs de domingo, a Globo apresenta o Esporte Espetacular.
A partir de junho, nas manhãs de domingo, a Record lança o Esporte Fantástico.
Pode até render audiência, mas essas cópias são tão desmoralizantes...! Até porque a Record tem profissionais competentes o bastante para criar, de fato, opções interessantes para o espectador...

Vingança de figurinista - PARTE V

Zizi Possi no show Divas: elas cantam Roberto Carlos. O vestido branco eu entendi. Mas essa parte preta...é algo como o colar de um palhaço???

Honestamente eu acho que a Zizi Possi deve ter ficado horas cantando aquela música brega, dos anos 80, tempo em que ela era uma cantora de gosto, digamos, menos apurado. O estilista pensando no modelito e ela:
- "Peeeeerigo é ter você perto dos olhos, mas longe do coração..."
Isso no ouvido de qualquer um enlouquece! E só isso explica o que o autor dessa pérola do fashionismo mundial cometeu...

Ou não?

terça-feira, 26 de maio de 2009

Contradições maternas...

Cena 1 / Interna / Quarto:
FILHO:

- Não sei se devo jantar...

MÃE:
- Janta não, meu filho. Assim você acaba engordando novamente. Come uma coisinha leve antes de dormir...

CORTE BRUSCO.

Cena 2 / Interna / Cozinha:
MÃE MEXENDO NA GELADEIRA. GRITA PARA O FILHO OUVIR DO QUARTO:

- Olha, tem cuscuz na geladeira. E já tá com leite condensado, do jeito que você gosta, viu?

Esse não é um post de ficção. Qualquer semelhança com fatos não terá sido mera coincidência...

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Ainda sobre o caso da menina Maisa...

Acho que tá (quase) todo mundo de acordo em relação ao episódio da menina Maisa, no SBT. O patrão pisou na bola e expôs a garota desnecessariamente. Humilhada no palco, Maisa chorou por duas vezes e, criança, acabou massacrada por Silvio Santos e pelo auditório, enquanto os adultos riam como se tudo aquilo fosse apenas uma piadinha inocente. De mau gosto...
Agora, começam a pipocar notícias dizendo que a menina é louca pelo Silvio Santos e que, certamente, vai sofrer com o afastamento do programa. Sem falar que as crianças são cruéis e, certamente, vão confrontá-la com essa polêmica toda, o que a emissora e os pais de Maisa já tentam evitar.
Como se não bastasse, o MP anuncia que vai cobrar uma multa de R$ 1 milhão de reais ao SBT, pelos episódios que envolveram a garota.
Pergunto-vos: não estão superestimando esse caso não? E por que não há esse mesmo clamor em relação aos políticos corruptos e aos autores de obras que, embora supostamente públicas, não servem pra nada?
É claro que o caso da Maisa é sério. Mas acho que tem gente falando e fazendo muita bobagem antes de conhecer, de fato, a matéria. O Conselho Tutelar, por exemplo, já se manifestou, alegando que a menina tem pais presentes e é assistida por psicólogos há mais de um ano. Disso alguém já sabia? Não, né?
Acho que é preciso pensar. Mas acho que a história já virou factóide pra vender jornais, revistas e cliques preciosos em sites de celebridades. A seriedade da discussão, que é o que interessa, tá todo mundo devendo...
E você, o que acha?
Comentaê!!!

Quando a gravidade finca os pés no chão...

Há um momento da vida em que a gente percebe que certas circunstâncias realmente podem não mudar nunca. Por mais que se queira, por mais que haja vários esforços envolvidos e empenhados numa eventual mudança, há algo que freia, que reprime.
Por mais que se creia, é preciso saber o momento exato de deixar de crer...
Por mais que se tenha energia para dar - e gastar, há que se saber o momento de passar a poupá-la. Ou de passar usá-la de modo mais racional...
Por mais que se queira anular as fronteiras, é fundamental estar atento para perceber o momento em que novos muros começam a se erguer, tornando a separar o que, de fato, jamais esteve junto.
Constatar isso tudo é penoso. É frustrante, decepcionante. Faz doer a cabeça, aperta nós no peito e na garganta. Sentimentos típicos dos que estão mais habituados a somar que a repartir. Talvez...
Mas deixar de ver é optar por viver num mundo de fantasia. Que até pode ser mais leve e gostoso, mas, definitivamente, não pode alicerçar a vida de ninguém.

PS.: Turma, desculpem-me pelo texto quase hermético. Mas é que eu creio muito que escrever é uma das mais eficazes formas de desabafo. E desabafar, todo mundo sabe, é bom demais de vez em quando...

Susana castigada...

Tá na coluna Outro Canal, da Folha de S. Paulo de hoje: Susana Vieira seria uma das próximas convidadas do programa Estrelas, de Angélica. A gravação, no entanto, subiu no telhado.
Será que Angélica não tem paciência para atrizes-veteranas-metidas-a-superstar? Ou isso é coisa do diretor de núcleo da atração, o Boninho, que também responde pelo Vídeo Show?
Fico com a segunda opção.

Castigo, nesse meio televisivo, vem na velocidade da fibra ótica...

domingo, 24 de maio de 2009

Bomba: Coreia do Norte faz novo teste nuclear!

O governo norte-coreano dá cada vez mais sinais de que está c4g4ndo e andando pra comunidade internacional. A notícia do teste realizado na manhã de hoje, lá na Coreia, comprova essa impressão. O teste provocou tremores de 4,7 graus na escala Richter, captados até por sismógrafos dos Estados Unidos. Por aí já dá pra perceber a intensidade da arma que o país está aprontando...
Eu tenho a opinião de que a coisa está ficando muito complicada. Irã e Coreia do Norte estão belicamente fortalecidos e não se cansam de contrariar o Conselho de Segurança da ONU.
Guerra à vista?
Chamemos nossa musa:
Até porque, nesse caso, eu também tenho...

Às voltas com Os Autores...

Tô terminando de ler o primeiro volume de Autores, o livro de entrevistas com os principais escritores de novelas da televisão brasileira.
Algumas considerações:
Carlos Lombardi me surpreendeu. Com novelas cheias de homens descamisados e de situações pouco usuais, demonstrou ter grande preocupação com a composição dos perfis psicológicos dos tipos que cria. E, longe do maniqueísmo, faz questão de pensar em tipos humanos, que mesclem o bem e o mal, como cada um de nós. Além disso, fala de questões ligadas a orçamento e de como isso afeta o trabalho do autor.
Pra mim, o melhor depoimento do primeiro livro.
A decepção ficou por conta da entrevista de Gilberto Braga. Mas isso nada tem a ver com o entrevistado. O autor enumera várias situações difíceis que enfrentou em algumas de suas produções e em nenhum momento é indagado a contar como fez para superá-las. Uma pena!
Glória Perez também dá um depoimento interessante. Fala do merchandising social, que ajudou a implantar na telenovela brasileira, e de sua parceiria com Janete Clair, a mão do foletim televisivo no Brasil.
Tô ansioso para começar o segundo volume, com entrevistas de João Emanuel Carneiro, Walcyr Carrasco e Silvio de Abreu, entre outros.
Assim que terminar, conto aqui!

Minha vez de falar de Susan Boyle...

Até aqui eu não havia falado desse assunto porque, sinceramente, ele encheu o saco! Por dias e dias, só se lia sobre Susan Boyle na internet. Na televisão, até o Toma lá, dá cá citou a história da escocesa. Na Oprah, lá estava a mais nova celebridade global. Na CNN, enfim, por toda a parte!
Hoje, Susan Boyle passou para a fase final do programa britânico que pretende revelar um novo talento da música. E, claro, a mídia inteira voltou os olhos para o fenômeno - não mais em busca do canto, mas, sim, atrás de um motivo para vender e atrair o espectador.
Vi o vídeo da apresentação de hoje. Susan, depois de um banho de loja, cantou Memory, tema de Cats e clássico dos programas de calouro. Foi muito bem, embora não tenha achado nada excepcional. E me pergunto: por que tanta balbúrdia em torno dessa jovem senhora?
Pra mim, esse fenômeno todo só tem uma explicação: o preconceito. Susan não chamou a atenção pela bela voz, nem por ter 47 anos e ser uma dona de casa que "nunca foi beijada". Chamou a atenção do mundo por surgir na televisão, feia como a necessidade e, "apesar disso", cantar. Será que se ela fosse uma quarentona com tudo em cima, dona de casa, e vendendo pureza, ia causar esse espanto, essa admiração? Creio que não!
O mundo em que a gente vive valoriza o padrão de beleza ocidental. É como se os "belos" pudessem tudo. Aos feios, como Susan, sobram as migalhas. Talvez ela estourasse como humorista, rindo de si mesma. Mas não seria um fenômeno: estaria dentro do que a sociedade convencionou ser o "seu espaço".
Mas com uma voz linda, Susan furou o bloqueio. Mostrou que, mesmo feia, pode ter talento. E que sua aparência também pode esconder beleza. Isso chocou. Virou a cantora exótica.
Pra mim, a história é essa. Se ela fosse uma gata, seria previsível. Não causaria espanto nos jurados, venceria o programa e talvez jamais ficasse conhecida aqui no Brasil. Ou alguém aí conhece algum dos vencedores anteriores do Britain's got talent???

E você, o que acha dessa história?
Comentaê!!!

Aquecimento global...

Achei esse vídeo no blog da grande cantora Zizi Possi. E achei muitíssimo bem sacado!
O que me assusta não é imaginar as consequências do aquecimento global e, sim, notar que há muitíssimo pouca gente realmente disposta a evitá-las...

A imagem do século XX...

Camila Nin, figuraça e roteirista do Salto, acaba de me ligar. Está escrevendo um dos roteiros do programa e queria saber qual imagem do século XX tinha me marcado.
Definitivamente, não é uma pergunta simples. Ainda mais para um libriano, ser que vive eternamente perdido num mar de possibilidades...
Mas até que não demorei. Lembrei da imagem da menina correndo, toda queimada, depois de um intenso bombardeio na Guerra do Vietnã. Respondi a Camila e fiquei pensando nos motivos que me levam à essa escolha. Pra mim, a foto da garotinha representa todo o horror da guerra e dá a dimensão de como essas batalhas são cruéis e acabam por vitimar, na maioria das vezes, inocentes indefesos.
Pesquisando na rede, descobri que a menina se chama Kim Phuc, se tornou uma cidadã canadense e, além disso, é Embaixadora da Boa Vontade da Unesco. Além disso, descobri outra foto de Kim. Adulta, ela envolve um bebê num abraço cheio de ternura. É, sem dúvida, uma foto tocante. Bela delicadeza do gesto dela com o bebê, pela ternura que esse abraço transmite. E, claro, pela tristeza das marcas de um guerra impressas no corpo da mulher. O bom da foto é ver que, mesmo marcada para todo o sempre, Kim levou a vida em frente e demonstra ser capaz de amar. É vítima da guerra, mas, sem dúvida, uma mulher de paz.
Bacana, né? Esse tipo de coisa é que faz crer que o ser humano tem salvação...
E pra você, qual é a imagem mais marcante do Século XX, hein?
Comentaê!

sábado, 23 de maio de 2009

Recado dos astros?

Olha só o que diz o meu horóscopo de hoje:
"Sabe aquela viagem que você sonha em fazer? Pois neste domingo, de encontro da Lua com o Sol em Gêmeos, nascem visões para realizações, quais informações buscar, o que fazer e com quem contar. Ao longo dos próximos dias, as respostas virão."

Ô coisa boa! Não vejo a hora de julho chegar!!!
Acho até que vou mandar um e-mail pro tal agente de viagens mané que ficou tirando onda com a minha cara. Como diriam os vingativos(???), vingança é um prato que se come frio...

Pra Luíza...

Ontem papai sentiu falta de você. Vontade de sentir teu cheirinho de bebê e de te fazer dormir enquanto encho sua bochecha rosada de beijinhos. Vontade de fazer caretas pra arrancar de você a risada mais gostosa que há no mundo e, depois, te fazer dormir deitadinha no meu peito...
Mas ainda não tá na nossa hora. Um dia a gente mata essa saudade do que ainda não viveu, tá?

PS.: Luíza é o nome da filha que ainda não tive...

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Silvio Santos não morreu!

O título do post pode parecer absurdo, mas explico: levei um susto ao entrar no site O Fuxico, uma hora atrás, e me deparar com a (falsa) notícia da morte do dono do SBT. Estranhei o texto, bastante cru, e fui buscar em sites jornalísticos informações. Não achei nada e fui pro banho...
Agora, a verdade apareceu: O Fuxico foi invadido por hackers que publicaram a notícia. Até o momento o site continua fora do ar.
Eu fico me perguntando que tipo de piração pode explicar o que leva um sujeito a se conectar à internet e, entre tantas coisas possíveis - e bacanas - optar por criar uma babaquice como essa.
Sem contar que muito dificilmente algum editor vai aprovar um título dizendo que "fulano de tal FALECE não sei onde". O verbo falecer é o cúmulo da linguagem rebuscada, soa quase como eufemismo.
O bom é saber que o Silvio não morreu e nem faleceu! Aliás, deve estar dando a sua característica risada ao saber dessa história...

E Yeda Crusius quase caiu...

Definitivamente, as coisas não vão bem para a governadora do Rio Grande do Sul...
Quando até os palanques começam a desmoronar, é sinal de que o problema pode ser estrutural.
Talvez seja, também, sinal de que a mandinga da oposição anda poderosa...

Maisa gongada do Programa Silvio Santos

Cheguei do trabalho e descobri duas coisas: a primeira é que a Justiça resolveu proibir que a menina Maisa Silva participe do Programa Silvio Santos. A promotora do caso, que investiga a exposição da garota no programa, diz que as aparições de Maisa ferem o Estatuto da Criança e do Adolescente. A decisão já vale para o próximo domingo e o SBT informou que vai obedecê-la.
A segunda descoberta tem a ver com a grafia do nome da guria: Maisa, sem y, sem acento. Simples assim...
E você? Acha que a Justiça tem razão ou estão pegando pesado?
Comentaê!

quinta-feira, 21 de maio de 2009

O que fazer com a Cidade da Música?

O Ministério Público está escarafunchando os arquivos para descobrir o mar de lama sobre o qual foi erguida a faraônica obra de meio bilhão de reais; a pérola-mor do mandato do ex-prefeito do Rio, Cesar Maia. Há quem fale que os culpados pela improbidade administrativa se tornarão inelegíveis e, ainda, que terão de devolver aos cofres públicos os gastos com essa obra que, embora já inaugurada, nunca chegou a funcionar.
Eu, particularmente, acho que a cadeia seria o melhor destino para os autores desse absurdo. Se o Taj Mahal é o castelo feito em nome do amor, a Cidade da Música é um palácio erguido como símbolo do desrespeito máximo aos cidadãos dessa cidade, que lidam tantas vezes com a ausência do poder público e com a falta dos serviços básicos - para os quais, dizem os gestores, não há dinheiro.
Homens públicos que tomam do eleitor saúde, educação e saneamento para entregar tudo, em forma de milhões de reais, aos empreiteiros. Como diria Álvaro de Campos: "homens altos, passai por baixo do meu desprezo!".
Pois bem, fiscalizemos e pressionemos para que a Justiça faça o seu papel, certo?
Por agora, sugiro uma campanha para encontrarmos uma serventia pra esse elefante branco encravado no meio da Barra da Tijuca. Que tal se fazer ali um Museu da História da Impunidade e da Indecência dos Políticos no Brasil? Não seria interessante?
Se bem que...provavelmente ia faltar espaço pra tanto acervo...
E você? Tem alguma sugestão para o que pode ser feito da Cidade da Música?
Comentaê!

Chatice dá cadeia?

Quando vi na home da Globo.com a notícia de que um homem havia sido preso depois de mandar 260 torpedos num único dia pra ex-mulher, comemorei! Achei que, enfim, estávamos diante do dia em que a chatice passaria a ser duramente punida e combatida pelos rigores da lei!
Vi a manchete no meio da tarde de ontem, pouco antes de ir pro estúdio e gravar o programa. Mas só agora tive tempo de ler a reportagem e descobrir que, além de chato, o homem era doido e vinha ameaçando a ex-mulher...
Lamentei. Por ela, que foi tão incomodada durante seis meses. E por todos nós, que teremos de continuar a conviver com os malas impunemente...
Agora, a companhia telefônica deve ter adorado essa maluquice toda, hein?

Sobre o caso do deputado paranaense...

Não sei quais são as dúvias em relação ao caso do deputado paranaense que, dirigindo bêbado e em alta velocidade, acabou matando dois jovens.
Os exames já comprovaram que o deputado estava pra lá de embriagado e, como se não bastasse, a cabeça de uma das vítimas foi arremessada a 40 metros do local do acidente. O velocímetro travou perto dos 190km/h. Gente, o que querem investigar mais? A marca do vinho que o excelentíssimo botou pra dentro antes de sair por aí fazendo merda no trânsito e matando gente?
É julgar e prender! E esquecer trancado na cadeia! Parlamentar tem que dar o exemplo!
Ou então a gente rasga as leis desse país e muda o nome dessa terra para pizzalândia...

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Sobre a tolerância...

A internet tem umas coisas engraçadas. Um texto meu sobre a tolerância, escrito em 2006, é o segundo mais acessado do B@belturbo nesse mês de maio. E um detalhe: os visitantes que chegam aqui buscando o tal post permanecem por mais de 10 minutos navegando pelas minhas mal traçadas linhas.
Sintomático, né? Como há 3 anos, continuo achando que a chave para mudar o mundo é a tolerância...

Come aqui, cai...

Achei essa navegando na rede...e, acredite: é real!!!
Tudo bem que a pizza é um veneno pra quem está fazendo dieta, mas...precisava colocar esse nome na pizzaria?

Sim, estamos diante de um exemplo de antimarketing!!! É como cortar os cabelos no Careca's Coiffeur ou cuidar dos dentes com o Dr. Banguela...
E você? Comeria nessa pizzaria?

O que se passa com Susana Vieira?

Ao vivo, Geovanna Tominaga precisou lidar com o destempero da atriz global...


Pra quem ainda não sabe, a última pisada na bola da atriz foi tomar o microfone da mão da apresentadora do Vídeo Show ontem e, ao vivo, dizer que não tem paciência pra gente que tá começando.
O vídeo está aqui.
Susana tem 60 anos confessos e muitos deles foram dedicados à construção de uma carreira sólida, que faz dela uma das atrizes mais populares do Brasil. Mas, nos últimos tempos, o trabalho está longe de ser o maior motivo para as aparições da artista na mídia. É fofoca sobre a vida amorosa, é ensaio falseado no photoshop, e, agora, essa grosseria desnecessária.
Freud, o pai da psicanálise diz que o ser humano tem a pulsão da destruição. No caso da Susana, esse lance tá acelerado, hein? Parece querer jogar a carreira inteira na lata do lixo toda vez que apronta uma dessas...

Lamentável!

Pesaram a mão na doença de Dilma Rousseff...


Turma, tô muito impressionado com o nível de algumas perguntas feitas à Ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, durante a pequena coletiva que ela concedeu hoje, em São Paulo. Refeita depois de um mal estar ocasionado por reações aos medicamentos que vem utilizando no tratamento contra o câncer linfático, a ministra conversou com jornalistas ainda no hospital.
A íntegra da coletiva está nesse vídeo aí de cima...
Bem humorada, Dilma respondeu todas as perguntas. Até as mais indelicadas, como a questão em torno da peruca que vem utilizando.
Pode ser puritanismo, mas eu acho que não se deve perguntar a alguém em tratamento contra um câncer se está usando peruca. Até porque é evidente. Mau gosto...
Igualmente desnecessário é perguntar, ao paciente, se houve perda ou ganho de peso. Esse tipo de pergunta deve ser feita aos médicos.
Enfim, achei desnecessário! Mas vale ressaltar a simpatia de Dilma Rousseff. Atravessar um momento delicado como esse e, ainda por cima, ter de responder a perguntas tão invasivas em público não é pra qualquer um não...

Sobre o Multishow Ao Vivo de Rita Lee...

Eu fui ao show, em janeiro desse ano, e gostei. A resenha está aqui.
Só que, vendo o especial que o Multishow está exibindo agora, estou completamente decepcionado! Não sei que diabos arrumaram durante a mixagem, mas a voz de Rita Lee quase desaparece em algumas canções. Na versão da música dos Beatles, por exemplo, só se conseguia ouvir o coro.
Mas o pior aconteceu em "Vingativa": no número, Rita é acompanhada, na frente do palco, pelas backing vocals. Só que, simplesmente, o microfone de uma delas não funciona. E foi pro ar assim!
Sem contar que em quase todos os números o áudio da plateia praticamente sumiu. Nem parece que foi gravado ao vivo. Ou será que rolaram os habituais retoques posteriores? Se for isso, pesaram na mão...
Muito estranho!
Sigo vendo até o fim, mas a vontade de comprar o Dvd tá passando...

Que expressão é essa???

Ele está alegre? Triste? Sorrindo? Chorando? Com dor?
Está pensativo? Está com cara de mau? Com cara de quem pega as criancinhas pra fazer mingau?
Eu não sei! Mas quem conseguir decifrar a expressão do Michael Jackson pode palpitar aí nos comentários, ok?

terça-feira, 19 de maio de 2009

Escraaaaaacho!

Sucesso no Rio, apresentador-parlamentar naufraga em São Paulo. E o blogueiro quer saber: por que a cobertura policial faz tanto sucesso na Cidade Maravilhosa?

Wagner Montes apresenta, na Record Rio, o Balanço Geral. O programa, que se pretende jornalístico, segue a linha trilhada pelo showrnalismo desde os tempos do Aqui e Agora: edição simples, quase artesanal, muuuuuitas pautas policiais e, claro, espaço de sobra para os comentários - por vezes destemperados - do apresentador.
Fazendo a linha "bandido bom é bandido morto", Wagner Montes, que também é deputado no Rio, cunhou bordões como o "Escraaaaaacha" para reforçar a sua luta contra a criminalidade.
No Rio, o programa é um sucesso. Chega aos 13 pontos de audiência.
Enfrentando dificuldades no horário em São Paulo, a Record encontrou uma solução simples: unificar as edições do Balanço Geral nas duas capitais e colocar na apresentação o polêmico apresentador da versão carioca.
Resultado? Fracasso!
Enquanto o programa da última sexta-feira cravou os 13 pontos no Rio, em Sampa a média foi bem mais modesta: 4.
Resultado? Wagner voltou para o seu quadrado carioca e a rede reformulou a programação para a capital paulista.
Esse episódio me fez pensar em como o Rio de Janeiro está contaminado pela lógica do consumo de notícias relacionadas à violência. Por coincidência, ouvindo a Bandnews FM na manhã de ontem, escutei um comentário de Ruy Castro protestando contra esse costume carioca e dizendo que esse tipo de jornalismo surgiu no tempo dos jornais vespertinos, em meados do século passado. Enquanto os jornais matutinos publicavam as grandes notícias do dia, no país e no mundo, para as publicações que chegavam às bancas à tarde, restava a cobertura dos crimes que aconteciam pela cidade. Por questões de mercado, o modelo de jornais matutinos e vespertinos caiu por terra, mas a predominância dos temas policiais na editoria Rio jamais deixou de ser tendência.
Por quê?
É óbvio que não sou alienado, que não quero o silenciamento dos problemas que afetam a nossa cidade. Mas é espantoso o espaço que a mídia dedica à essa temática aqui no Rio. E não só a mídia carioca: em todo o Brasil, quando se fala em violência, fala-se em Rio de Janeiro.
Por quê?
Por que os cariocas dão tanto Ibope a um programa sensacionalista, que explora tantas tragédias no início da tarde, enquanto o mesmo programa é refutado por paulistas e paulistanos?
Não tenho as respostas, mas acho que esse tipo de atração se vale do medo. Minha mãe, por exemplo, acredita que fica bem informada sobre o que acontece no Rio vendo esse tipo de programa. E acha que vai se sentir mais segura sabendo "onde está o perigo".
Eu acho que esse tipo de jornalismo faz mal à sociedade; forma pessoas assustadas. Acho que faz mal ao Rio, mostrando uma cidade mais violenta e deixando de lado o que há de bom aqui. E, por fim, faz mal à televisão, que certamente poderia preencher seus horários com produtos mais bem acabados e interessantes.

E você? O que acha?
Comentaê!

From hell...

Dizem que quem encontra a cara-metade acha o caminho para o paraíso. Não sei se é exatamente verdade, mas me pus a pensar no tema depois de ouvir a frase de uma amiga, cuja suposta cara-metade lhe desiludiu amorosa e financeiramente:
- Só sei que conheci o inferno! E o capeta ainda me levou dinheiro!!!
Pano rápido!

O agente de viagens babaca...

Terno azul marinho surrado, anel prateado no dedo, cabelo cheio de gel, espetado para o alto. Mais ou menos da minha idade, André me recebeu com um sorriso e apontou a cadeira para que me sentasse. Perguntou em que poderia me ajudar. E quando eu disse que estava pretendendo fazer uma espécie de mochilão por alguns países europeus, a coisa mudou de figura.
A simpatia - que, sim, já dera sinais de ser pra lá de forçada - foi pro saco. E a cada pergunta que eu fazia, o sujeito enfatizava: que aquele era o ônus de quem queria gastar pouco.
Fiquei irritado, mas não transpareci. Fiz todas as perguntas cabíveis e deixei a agência revoltado. Não por mim, que sou um cara esclarecido. Mas por pensar que aquele imbecil - que repete um tipo de preconceito do qual, certamente, já foi vítima - pode impor a pessoas de bem, corretas e cumpridoras de suas obrigações humilhações ainda piores. Talvez aja assim pra se sentir, de alguma forma, superior.
Eu não sou um ostentador, não me importo com griffes e nem faço questão de aparentar requinte. Sou um homem simples e trato todos da mesma forma; do carteiro que me traz as contas todo mês à mais famosa cantora do Brasil. Das maquiadoras aos diretores da emissora onde trabalho, passando pelos porteiros, pela equipe técnica e pelos colegas apresentadores. E talvez essa postura tenha feito o tal agente de viagens deduzir que não estou no rol dos que têm condições de viajar para a Europa. Vai ver ele acha que tem que ser escroto para passar férias no Velho Continente...
É mole?
Pensei em mandar um e-mail para a empresa que paga o salário desse mau funcionário. Pensei em me identificar e relatar, com detalhes, o ocorrido. Mas desisti. Gente babaca desse tipo a vida se encarrega de derrubar sozinha...

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Votação em curso!

Turma, como tinha prometido, estou escrevendo apenas para avisar que o problema com o link para a votação do prêmio Top Blog já foi superado e, portanto, já é possível clicar e votar no B@belturbo.
Pra mim, a indicação já foi uma grande conquista. Mas os votos, é claro, serão bem-vindos!
E vamo que vamo!!!

domingo, 17 de maio de 2009

Domingo de cinema: Anjos, demônios e Simonal...

Cinema é a maior diversão! Certo disso e precisando espairecer depois de mais uma semana de muita correria, zarpei no início da tarde de ontem para um multiplex decidido a conferir duas das novidades da semana: "Anjos e Demônios", baseado na saga criada por Dan Brown; e "Simonal", documentário sobre a vida do cantor que teve a carreira arruinada depois da suspeita de ser colaborador do regime militar.
Como faria Jack, sigamos por partes...
"Anjos e Demônios" leva para as telas o suspense sobre uma conspiração no Vaticano. Abalada pela morte de um Papa, a cúpula da Igreja Católica precisa lidar com as ameaças contra os quatro cardeais favoritos para a sucessão do pontífice. Por trás do terror, uma sociedade secreta, munida com uma arma de alto poder de destruição, criada num dos mais modernos laboratórios do mundo.
Quem leu o livro sabe que é eletrizante. Eu, particularmente, acho ainda mais instigante que o propalado "Código da Vinci". E, se errou a mão na adaptação do mega-best-seller de Dan Brown, o diretor Ron Howard, que também assina a direção de "Anjos e Demônios", consegue se redimir. O filme tem ação pra dar e vender! O clima frenético do livro foi bem traduzido pelas sequências de perseguições rodadas nas ruas de Roma e o elenco colabora, e muito, para convencer o público de que a conspiração imaginada pelo escritor é verossímil. Os destaques são Tom Hanks - que, felizmente, viu seu Robert Langdon ganhar um corte de cabelo; e Ewan McGregor, convincente no papel do Camerlengo. Sem falar na bela Ayelet Zurer, que vive a sensual e esperta Vittoria Vetra.
Os cenários são de impressionar - principalmente as tomadas que reproduzem os interiores da Capela Sistina, local ao qual a equipe teve o acesso negado pelo Vaticano. A música também ajuda a criar o clima de aflição necessário à narrativa e o roteiro dá aos leitores da história a sensação de que o crème-de-la-crème do livro foi levado para a telona.
A Igreja implicou, óbvio. Seus interesses e a manipulação em torno da opinião pública são mostrados às claras. Mas, por outro lado, a beleza de seus rituais mais fundamentais - como o conclave - também está lá, traduzida em imagens nunca antes imaginadas por boa parte do público. Sem falar que a tomada final é de emocionar até o mais descrente dos seres humanos.
É um filme bem bacana! E eu recomendo!

Da ficção mais fantasiosa para a realidade. Realidade, que, aliás, pode ser mais devastadora que a antimatéria do filme baseado em Dan Brown. Na vida de Wilson Simonal, não houve antimatéria. Mas a destruição de sua imagem - e o consequente naufrágio de sua carreira - foram tão devastadores quanto a mais poderosa das armas químicas.
Um dos cantores mais populares do Brasil na década de 60, chegando a rivalizar com Roberto Carlos, primeiro negro a fazer sucesso sem cantar samba, Simonal foi dos píncaros da glória ao abismo do mais profundo ostracismo. Tudo por conta de uma suposta - e jamais comprovada - atuação como delator de colegas artistas ao regime militar.
Rico e com vocação para a ostentação, Simonal meteu os pés pelas mãos e cometeu um erro que lhe custou tudo o que tinha conquistado até então. Esquecido, depois de vinte anos ignorado pela mídia, morreu, reduzido a uma pálida sombra do que tinha chegado a ser.
O filme é simples, sem grandes arroubos narrativos ou invencionices estilísticas. Os videografismos estão dentro do contexto da vida de um homem que fez o povo sambar como Sá Marina, e mostrou ter orgulho de viver num Pa tropi.
Dirigido por Cláudio Manoel, Calvito Leal e Micael Langer, o documentário agrupa bons depoimentos de personalidades que dão a dimensão do fenômeno que Simonal representou para a MPB durante a fase áurea de sua carreira. Chico Anysio, Arthur da Távola e Nelson Motta, donos de inegáveis carismas, defendem o artista; buscam fazer justiça e apagar a mácula que fez o castelo de Simonal desmoronar. Jaguar e Ziraldo, do Pasquim, dão suas versões para o tratamento que todo o episódio mereceu do periódico idealizado pela turma da canhota, como Simonal tratava os esquerdistas. E os depoimentos de Tony Tornado, Castrinho e Miéle contribuem para explicar o tamanho do estrago que um passo em falso gerou na carreira - e, pior - na vida de Wilson Simonal.
Fiquei especialmente incomodado com os depoimentos do Jaguar, que ri ao narrar passagens duras, como se desconsiderasse todo o sofrimento que elas causaram. Pode parecer piegas, mas achei que faltou um pouquinho de humanismo ali...
Os filhos, Max e Simoninha, dão depoimentos afetivos e, mais que isso, uma certa lição de sabedoria. Parecem ter aprendido com os erros do pai. E estão dispostos a resgatar o talento e a contribuição de Simonal para a história da MPB. Uma luta louvável, diga-se de passagem.
As imagens coletadas são impressionantes e revelam a importância da televisão para a memória de um país. Sim, porque só vendo o Maracanãzinho lotado cantando sob a regência de Simonal alguém da minha faixa etária pode entender o vulcão que era esse artista. E pode associá-lo às gerações posteriores de entertainers. Todos devem render homenagens à esse grande cantor.
No mais, "Simonal: ninguém sabe o duro que dei" ainda faz brotar um salutar debate sobre o poder da mídia. Faz pensar sobre a responsabilidade de uma imprensa que, já desde o início dos anos 70, confunde os papéis e, por vezes, julga e condena em vez de noticiar. Aliás, esse é o tema de uma das falas mais interessantes do filme, do falecido senador Arthur da Távola.
Gostei do filme. E saí do cinema lamentando que um erro tenha demolido toda a história de luta construída pelo Simonal. Recomendo o documentário a todos os amantes de música. E de História!

sábado, 16 de maio de 2009

A maior preocupação do brasileiro...

Tava vendo uns gráficos no site da Época, sobre uma pesquisa feita pela ONU. O objetivo da sondagem era ouvir a opinião dos brasileiros sobre o maior problema do Brasil. Numa lista que tinha Educação, Políticas Públicas, Violência, Emprego, Saúde, Meio Ambiente e Judiciário, os entrevistados deviam escolher quais as suas maiores preocupações.
Pela navegada que fiz pelos gráficos (que são interativos) descobri que a maior preocupação dos brasileiros é a educação. Em segundo lugar, vem a violência.
Um dado curioso é notar que só em Sergipe e Tocantins a preocupação com a violência supera a preocupação com a educação.
Por outro lado, é triste constatar como ainda é pequena a importância da temática ambiental para os entrevistados.
Gosto de pesquisas. Acho que é fundamental saber quem somos. Só assim a gente pode avançar e mudar o que não está bacana.
Mas acho que se houvesse o item política, o resultado dessa sondagem seria bem diferente...
E você? Entre essas opções listadas pela ONU, qual mais te preocupa?

Infidelidade inflacionada: chifre pode custar caro!

As discussões sobre fidelidade sempre rendem polêmica. Com o advento da internet, o conceito de traição ganhou ainda mais nuances e já vi vários casais discutindo os limites do aceitável na vida online. Bater papo no msn é trair? Falar/simular/fazer sexo virtual é ser infiel? Questões relacionadas ao códigos e regras que cada par constrói para a própria história...
Aqui no Brasil, até pouco tempo, adultério era crime. Dava cadeia! Uma punição tão humilhante para o réu quanto para a vítima, diga-se de passagem...
Mas o motivo do post é a matéria que li no site de O Globo, revelando que há uma tendência entre os juízes para punir com multas quem trai. Isso mesmo: botou chifre no(a) parceiro(a), pode acabar tomando uma facada (no bolso) daquelas!
Já imaginaram se essa moda pega?
Agora, o mais incrível é que a legislação brasileira determina que a fidelidade é uma das obrigações de quem se casa. Já sei, tá pensando que essa lei é do tempo em que vovó era criança, né? Ledo engano! A lei, acredite, data de 2002!!!
Portanto, está aberta a discussão! Você acha que infidelidade é obrigação? O que é ser fiel ou infiel? E as multas? São cabíveis? Quem é traído merece ser indenizado? De que forma?
Muitas perguntas, né? É porque o tema, convenhamos, é mobilizador!
Comentem aê!!!

Plantão High School Musical...

Esse post é uma ode à criatividade!
Nunca vi uma única cena do fenômeno teen estrelado pelo Zac Efron. E agorinha, recebi um link, via msn, com uma paródia a um dos musicais do filme. Mas pra você valorizar a versão brasileira, dê um play no original. Ok, ok, não precisa ver tudo. Mas só pra sacar o universo da história e o clima da música.
Lá vai:

Agora veja como a versão brasileira, uma espécie de High School Proibidão, ficou muuuuito mais divertida. E, por que não dizer, mais condizente com a coreografia e a interpretação (?!?!?) do galã teen.
Essa vale a pena ver toda, ok:

Cara, é ou não é digna de aplauso a mente que criou essa versão? Se fosse usada para o bem da humanidade, hein?
Agora, só aqui entre nós, o coreógrafo devem ser inimigos mortais do Zac Efron, né? Porque essa coreografia biba-sofrida é de lascar...
Eu morri de rir! E você?

Louca Família: loucura mesmo!

Acho que hoje devo estar numa espécie de dia masoquista! Só isso explica o fato de ter sossegado com a TV na Record, no programa Louca Família, estrelado por Tom Cavalcante.
Fiquei impressionado: primeiro, com a utilização de vários elementos presentes no extinto Sai de Baixo, da Globo: lá estão a burra, o malandro, o empresário-dono-de-um-empreendimento-falido, o empregado-engraçadinho e por aí vai...
E o outro motivo da minha má impressão tem a ver com a completa falta de graça da tal sitcom. As tais risadas da claque chegam a constranger, diante da perceptível escassez de motivos para rir...

PS.: O masoquismo passou, ok? Não se preocupem! Já estou caçando algo que preste pra assistir!

Wanessa e Mariah Carey: parece, mas não é!

Novo single da cantora brasileira remete ao universo pop que marca a carreira da americana. O visual também é parecido. Mas as semelhanças param por aí...

Hoje, no fim da tarde, voltava da TV e liguei o rádio de carro numa daquelas Fms populares. Habitualmente ouço meus próprios Cds ou rádios all news, mas estava em busca de inspiração para um novo post. E essa estratégia, meus amigos, é infalível!!!
Mal apertei o controle remoto numa das tais estações e, como diria aquela personagem de programa humorístico, vaaaaaaaaapo: lá estava Wanessa Camargo, cantando com Ja Rule.
A música eu nem sei qual é. Mas é bem produzida, tem um ritmo bacana e revela que a cantora está interessada em cunhar ao repertório um ritmo pop distante do breganejo e do mela-cueca-adolescente que tinham marcado seu repertório até aqui. Só que...ela canta em falsete quase o tempo todo! Aquela vozinha sussurrada, num tom quase infantil que irrita mais que agrada. Aliás...que não agrada!
Na hora saquei: ela quer ser Mariah Carey! Só que o problema é que a americana tem voz, tem extensão vocal e produz agudos impressionantes. Ou seja: canta!
Wanessa Camargo, que, conforme informou o locutor, a partir de agora deixa de lado o sobrenome do pai, está longe de tudo isso. E me parece ainda mais preocupada com a imagem e o marketing que com qualquer outra coisa...

sexta-feira, 15 de maio de 2009

E a natureza cobra Michael Jackson...

Li no site da Quem que o popstar terá de se submeter a um tratamento contra o câncer de pele, diagnosticado recentemente. A reportagem, originalmente publicada na noite de ontem pelo inglês The Sun, revela que o cantor tem células cancerígenas pelo corpo e outras, pré-cancerosas, localizadas no rosto.
Em qualquer mortal, isso poderia ser uma fatalidade. Mas o que me chocou foi ler que o órgão responsável pelo controle de medicamentos nos Estados Unidos alertaram Michael que os tratamentos de branqueamento poderiam ser nocivos à pele.
Loucura, né? Ainda que o artista alegue que optou por se submeter a tratamentos perigosos por conta do vitiligo, a gente fica com a impressão que a tal da neurose por uma aparência idealizada pode estar, sim, por trás de tudo isso. E pra comprovar essa compulsão por se fazer mais belo, basta ver o que Jacko foi capaz de fazer com seu próprio rosto.
É triste isso...

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Passeata das Solteiras: a repercussão...

Hoje, no Rio, ao meio-dia, vai rolar uma passeata das solteiras.
Falei dela mais cedo no twitter. Na TV, amigos acharam graça do horário. Um deles, igualmente solteiro, chegou a dizer que só deve ter desempregada por lá. Outro questionou se elas querem afirmar a solteirice ou se estão em busca das tampas de suas panelas.
Eu não sei...
Só sei que pode ser um programão. Mas também pode ser uma furada! Se tiver muitas moças, digamos, contempladas com um padrão alternativo de beleza, pode ficar parecendo um desfile de sete de setembro: cheio de dragões da independência!
Preocupado com essa possibilidade, outro amigo rebatizou o evento agora, no Twitter: barangafolia!

Muito bom!!!

Estica-e-puxa...

Sem ter muito o que fazer, acabei futucando um bocado os códigos html do blog e instalei um novo aplicativo aqui na barra lateral. Ele exibe as últimas mensagens enviadas por mim para o meu Twitter, o @muriloribeiro. Além disso, a janelinha também permite que usuários do Twitter respondam as mensagens e interajam.
Sem contar que o visual é mais bacaninha que o do aplicativo anterior...
E você? Já deu sua twittada hoje?
Sem baixaria, hein?
;)

Quando a energia é boa...

Não sou movido a elogios! E sou do tipo que acha que elogio de amigo nem conta muito. Mas há situações em que a gente consegue sentir algo além do que as palavras dizem. E isso tá no olhar, no tom de voz que a pessoa usa. Ou na forma de pontuar as frases, quando esse tipo de carinho vem por e-mail...
Desde que o Salto mudou de formato, tenho ouvido e lido muitos elogios. De amigos, de telespectadores de todo o Brasil, da direção do canal, de colegas da emissora. Elogios que vieram até de onde eu nunca poderia imaginar que um dia viriam. E que, de forma geral, traziam uma energia muito boa!
Ontem foi a vez do Brit, um dos caras mais assíduos aqui no B@belturbo. Escreveu pra HotLine pra contar que, enfim, tinha visto o programa e que tinha curtido demais. Também ontem, Daígo, outra presença constante por aqui, contou, via msn, que achou o novo formato bem bacana.
Duas pessoas que não tinham a menor obrigação de escrever/dizer nada. Que não esperam nada de mim. E que, no entanto, fizeram questão de passar essa energia boa.
Parênteses: antes que algum pentelho venha falar de ego por aqui, aviso: os elogios não foram pra mim! Foram feitos ao programa! E isso me orgulha ainda mais, dado todo o esforço que eu e meus companheiros de trabalho temos dedicado à essa mudança lá no Salto...
Turma, eu venho num pique de trabalho bem puxado. Quase um ano e meio sem férias! Estou cansado, mas mais motivado que nunca! E certo de que vale muito a pena batalhar por aquilo que a gente acredita. Sou um cara satisfeito por acreditar no que faço! Estou exausto, mas feliz! E muito agradecido por todas as manifestações de carinho que tenho recebido!
Isso, meus caros, não tem preço!

Ele não virou um milionário...

Que loucura essa notícia sobre a agressão sofrida pelo menino Azharuddin Mohammed Ismail, ator do filme, pela polícia indiana. E que loucura saber que o garoto, conhecido em todo o mundo, vive num barraco feito de plástico e bambu com sua família. Ou melhor, vivia: o barraco foi destruído durante a ação policial.
Num tempo em que tanta gente busca a fama a qualquer preço, essa história funciona como um balde de água fria! E como um lustra móveis para os caras de pau que lucraram com o filme deixando os astros na miséria...
Aliás, sensacional o texto da correspondente em Nova Iorque, em matéria exibida agorinha no Jornal da Globo. Terminou dizendo: "Uma coisa é certa: se o filme fez algum milionário, não foi nenhum dos atores mirins!".
Essa é pra quem duvida que a vida real pode ser mais cruel que a ficção...

Giovanna Antonelli no MSP: Movimento do Sem...Poltrona!!!

Li no blog da Patrícia Kogut que rolou a maior saia justa no pré-lançamento do filme "Budapeste". Uma das estrelas da produção, Giovanna Antonelli simplesmente não tinha um lugar reservado dentro da sala de projeção. E, pior: ouviu uma sugestão para sentar no chão. Usando uma calça de griffe, a atriz não gostou e zarpou do local. Além disso, decidiu: não vai mais participar de nenhum evento relacionado à promoção do filme.
À primeira vista, uma atitude assim pode parecer coisa de estrela, mas acho que não é não! Alguém imagina um lançamento de Angelina Jolie sem que alguém cuide de arrumar um lugar pra diva-bocudona se sentar? Não, né?
Aí podem argumentar: Giovanna Antonelli está longe de ser a Jolie! Ok, está! Mas se é estrela no filme, se contam com seu nome para atrair público para os cinemas, pode - e deve - exigir um tratamento cortês e respeitoso! E olha que ninguém tá falando de bajulação, hein? Era apenas um lugarzinho pra sentar e ver o filme pronto...
Vacilo de quem programou o evento. Só espero que não culpem algum estagiário...

Condenado Mohammed D'Ali

Não é o ex-lutador de boxe! É aquele cara que matou e esquartejou a namorada inglesa, ano passado, em Goiânia. A defesa alegou que o xará do boxeador tem problemas psicológicos. Mas quem deu sinais de que (ainda) está regulando bem, hoje, foi a Justiça: 19 anos pelo assassinato e mais 2 anos pelo esquartejamento e pela ocultação do cadáver.
Vinte e um anos de cadeia. Mas o réu é primário e, em breve, pode ganhar a liberdade.
E você? O que acha, hein?

quarta-feira, 13 de maio de 2009

De volta à barbárie?

Sabe aquele tipo de notícia que consegue chocar de todas as formas?
Essa é desse tipo: um homem de 27 anos tenta estuprar uma menina de 9. Flagrado, é linchado e morto a socos, pontapés, pauladas e pedradas.
Tentar violentar uma criança é um dos crimes mais repugnantes na minha opinião. E o nosso instinto acaba defendendo o ímpeto de quem resolve fazer "justiça" com as próprias mãos. Mas, cá entre nós, a brutalidade de um linchamento também é algo que remete ao tempo dos bárbaros. A um tempo em que não havia justiça, leis e nem racionalidade.
Estamos mais perto do passado do podemos supor?

Outting corporativo?

Cheguei ao trabalho hoje e levei um susto: avisos espalhados por todos os cantos alardeavam:
"É hora de sair do armário!!!"
Levei um tempo pra entender que ninguém estava pregando o fim do enrustimento na TV, e sim, que as fitas guardadas dentro de armários fossem enviadas para o setor devido.
Anúncio meio esquisitão, não?

França: internauta que fizer downloads ilegais ficará sem navegar...

Polêmica essa lei francesa que promete punir os internautas que fazem downloads ilegais. Vi a matéria do Jornal das Dez sobre o tema e achei meio absurdo...
Primeiro, por tirar a conexão do sujeito que desobecer a lei - e as duas advertências prévias - com o corte da conexão à rede por um ano. Já imaginaram o que significa pra um internauta profissional ficar um ano sem navegar?
Depois, é complicado - e a matéria abordou isso - imaginar que um hacker pode usar a conexão de alguém indevidamente e esse alguém - sem ter nada a ver com o caso - pode acabar punido pela legislação. Alguém duvida que esse tipo de equívoco pode acontecer?
É claro que acho que os artistas e criadores devem ter respeitados os seus direitos autorais. Mas acho, também, que é preciso encontrar mecanismos de pagamento mais compatíveis com os tempos que vivemos. A internet tem um potencial incrível para propagar essas produções e é um mercado ainda pouco explorado pelos detentores legais de arquivos musicais e audiovisuais, por exemplo.
Acho que muita coisa tem que ser revista. E cortar a conexão dos piratas não me parece ser, ainda, a luz no fim desse túnel...
E você? Concorda com a proposta francesa?
Comentaê!

Da série: "a pergunta que não quer calar..." 47

Notícia ou piada pronta?
Que palavra de consolo - sem trocadilho, please - pode-se dizer a um sujeito que compra um filme pornô e descobre, ao apertar o play, que a mulher é uma superstar???
Como diz uma cálega, "o mundo é muito mais Almodóvar do que parece..."

terça-feira, 12 de maio de 2009

Bombando!

A internet tem umas coisas engraçadas, né?
No início do ano passado, fui a um show de Maria Rita. E fiz um vídeo dela cantando "Não deixe o samba morrer". Então, a música era uma novidade no repertório dela.
Botei no YouTube. E o tempo passou.
No segundo semestre de 2008, a cantora lançou um Dvd novo. E lá estava a música, oficialmente entrando para o setlist do show Samba Meu.
Depois disso, o vídeo que eu havia publicado antes bombou! Até hoje, já foi visto mais de 127.000 vezes, o que faz dele o campeão de acessos no meu canal no YouTube.
Um Maracanã (dos velhos tempos) lotado de gente! Vendo um vídeo que fiz só pra mostrar pra vocês aqui do blog...
Até assusta...

Encontro...

Olhar em teus olhos e ver a dor doeu em mim. Mesmo, intensamente. Mudou a minha interpretação do dia. Tirou do meu rosto o sorriso, algo sempre tão presente.
Estranho...
Foi como se uma cicatriz perfeita se pusesse a sangrar; como se as ondas do mar passassem a partir da costa para o meio dos oceanos.
Esquisito...
Incômoda a sensação de se ver distante de alguém que já esteve tão próximo de nós.
Dolorido saber tanto de você, reconhecer a tristeza no teu sorriso e não poder me aproximar e dizer que vai dar tudo certo, que você vai sair dessa e que eu rezo pelo dia em que a alegria volte a encher os teus olhos.
Mas, acredite, essa mesma transitoriedade que fez o nosso tudo se transformar em nada vai, rapidinho, fazer essa fase virar apenas a lembrança de um desafio duro. Que você superou!
Sei que não estarei lá. Mas ficarei feliz por saber de mais essa tua vitória!

Quem tem problema com erros?

Outro dia, numa conversa bem desagradável pelo msn, fui questionado por postar aqui erros publicados por alguns sites. Na ocasião, recebi críticas por minha suposta vocação para "palmatória do mundo".
Esperei passar um pouco antes de tocar no assunto para não deixar o fígado falar mais alto...
Eu não tenho problemas com as críticas. Desde que elas sejam procedentes.
Os posts com erros de sites, jornais e revistas são uma forma de fazer humor, de rir. Apenas pra isso eles são publicados aqui. Aliás, ressalto que a ideia está longe de ser original: vários sites e blogs fazem o mesmo. E há até uma peça de teatro - Plantão de Notícias - que há anos está em cartaz usando os erros da imprensa para fazer rir.
Quem me fez essa crítica questionou uma posição arrogante - que julgou ser a minha - de apontar os erros alheios. Argumentou que esse tipo de exposição pode, inclusive, acarretar a demissão de algum profissional. E, para acabar de me encher a paciência, disse que eu tenho o hábito de ridicularizar as pessoas, como fiz com o garção da série que publiquei aqui, ao longo do ano passado. Aliás, quis até me pegar no contrapé, ao supor que faria uma grande revelação ao dizer que a palavra garção existe e está correta. Só que eu já sabia. E a havia escolhido por ser pouco usual mesmo...
Bom, devo dizer que não acredito que uma demissão possa ser consequencia de nenhum post publicado aqui. Há, certamente, sites mais influentes, mais populares e mais visitados. Em segundo lugar, JAMAIS ridicularizei qualquer um dos autores das notícias incorretas que publiquei aqui. Fiz, sim, piada com os enganos. E terceiro: não posso aceitar que alguém me diga que ridicularizei o garção, uma vez que NUNCA revelei o nome dele e nem o local em que trabalha. SEMPRE tive, aliás, o cuidado de evitar que as fotos que ilustravam os posts da série oferecessem qualquer possibilidade de identificação dos personagens envolvidos e do lugar.
O autor da crítica - que me aborreceu por ser maldosa - é jornalista, como eu. Mas as semelhanças param por aí! Eu não tenho essa visão corporativista de esconder erros de coleguinhas só porque eles são...coleguinhas! Não sou a palmatória do mundo, e nem quero pra mim esse papel, mas se tenho um blog é para expor minhas ideias, dividir as minhas impressões e trocar informações e experiências com tanta gente bacana que passa por aqui. E, sim, por mais incrível que possa parecer, tenho opinião sobre tudo o que me interessa!
Se critico os erros da Justiça - como fiz recentemente num post; se critico os políticos que não se comportam de forma compatível com a posição que ocupam; se critico a polícia que atua violentamente para coibir uma violência que cada vez mais ajuda a gerar; se critico atletas e artistas; se critico empresas que não prestam os serviços que são pagas para prestar de modo satisfatório; NÃO VEJO RAZÃO PARA NÃO FAZER CRÍTICAS AOS MEUS COLEGAS DE PROFISSÃO. Seria, inclusive, pouco honesto com quem me lê...
O jornalismo é feito por pessoas. E pessoas erram. Silenciar sobre os erros é o primeiro passo para não conhecê-los, reconhecê-los. E para não repará-los.
E, pra mim, isso é ignorância!
Na ocasião, o autor da crítica disse ainda que eu me utilizo do fato de trabalhar em televisão e, por isso, "não ter chance de errar".
Acho que alguém que solta uma dessas pérolas deveria ver mais televisão. Já errei muito! Apresento um programa ao vivo e, nele, toda a sorte de imprevistos podem acontecer. E acontecem! Uma vez, ao vivo, troquei o nome de uma professora chamada Zélia e a chamei de Velha. O que poderia fazer? Reparar meu erro. Erros existem, minha gente! Rio deles! E dificilmente esqueço de um deles. Sabe por quê? Para evitar que eles se repitam...
Era só isso tudo, turma. Erros existem! E pessoas chatas também!
Só erra quem tenta!
E vamo que vamo!!!

Encontro das cobras?

A brincadeira é simples: clique aqui e veja se o título não é apropriadíssimo.

Plantão Msn...

About de um amigo no msn:
"Festa de criança é que nem sabonete: tem sempre um pentelho que você não sabe de quem é..."

Tá longe de ser um exemplo de sutileza, mas que tem lá um fundo de verdade, isso tem...

Caso Daniel Duque: enfim, justiça?

Quem acompanha o B@belturbo sabe que o caso do assassinato do jovem Daniel Duque mexeu muito comigo. A ponto de ser convidado para participar de uma passeata de protesto pela Daniela, mãe da vítima desse crime bárbaro.
Pois bem, isso explica a felicidade que senti agora ao acessar a internet e me deparar com a notícia da anulação do julgamento que, inexplicavelmente, inocentou o PM autor do disparo que roubou a vida do Daniel.
Nada poderá devolver a vida da vítima, mas imagino que a perspectiva de que, enfim, a justiça possa ser feita deve resgatar a sensação de dignidade dessa família marcada pela tragédia.
E que a Justiça não desperdice mais essa chance de provar que existe...

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Rubinho, o eterno reclamão...

Olha, Barrichelo choramingando por ter sido preterido pelos estrategistas de sua equipe, a Brawn GP, é de doer!
Já disse aqui que gosto do cara, mas fico impressionado com esses terceiros elementos que SEMPRE são responsáveis pelos fracassos do piloto. Ora é a suspensão, ora é a chuva, ora é a tal da pane hidráulica...mas nunca, nunca a cagada é dele. Impressionante!
Tô com a Hortência: a estrela do Rubinho tá na bunda! E é cadente!!!

domingo, 10 de maio de 2009

Quanta falta você me faz...

Difícil deixar de dizer que meu dia não foi mais alegre porque minha vó não estava junto da gente. Sim, eu sei que os amigos dirão que ela está sempre por perto, mas quero dizer que ainda é difícil demais encarar com naturalidade esse sempre por perto ...
Minha vozinha, sempre tão presente. De quem sinto tanta saudade e por quem tinha prometido não chorar mais...desculpe esse seu neto sem palavra e que morre de saudades de você, viu?
E parabéns pelo seu dia!
Te amo! Pra sempre!

Pra dona Ismênia...

O que dizer em mais um Dia das Mães?
Acho que nada que se fale para uma mãe como você será o bastante para agradecer, retribuir e recompensar todo o amor, toda a dedicação e todo esforço; esse tudo que você me dá todos os dias, um tudo que é tanto que chega a parecer infinito.
Acho que talvez falte dizer que peço a Deus para conservar nossa relação tão harmoniosa, tão amistosa e verdadeira. Que peço a Ele que nos dê muita saúde para aproveitarmos essa vida cheia de coisas lindas. Que Ele me dê possibilidade de te mostrar como é lindo o mundo lá fora e como você pode curti-lo agora, que não tem mais que se preocupar (tanto) comigo.
Que Ele te abençoe e te guarde sempre!
E nesse papo com Deus, vou agradecer por ter me dado a melhor mãe; aquela que talvez eu nem pudesse imaginar que existiria.
E a você, mãe, todo o meu amor. Toda a minha gratidão. E, sempre, o que há de melhor em mim...
Te amo!

Dica sonora...

Comprei hoje e tô ouvindo bastante a trilha sonora de Slumdog Milionaire.
Como é bom ver que a música não tem limites, não tem barreiras e que, seja lá em que língua for, pode nos envolver e nos emocionar...
Não foi à toa que ganhou o Oscar desse ano!
Recomendo!

sábado, 9 de maio de 2009

Prêmio TOP BLOG...

Recebi pela HotLine a notícia de que o B@belturbo foi selecionado para participar do prêmio TOP BLOG, que vai escolher os melhores blogs do país. A votação tem duas fases: a popular e a do júri especializado.
Não sei como rolou essa seleção, mas fiquei agradecido. E resolvi dividir essa satisfação com vocês que fazem esse nosso canto ter graça.
O selo do prêmio tá no topo da coluna da direita. A ideia é que ele direcione para a página de votação, mas não sei porque cargas d'água isso não tá rolando. Mais tarde eu tento configurar de novo. Quando estiver ok pra receber votos, aviso.
É isso!
E vamo que vamo!!!

Divã: um filme pra (estrela) Lília Cabral brilhar...

Cena em que personagem compara o ex-marido a um vestido Armani é uma das mais bonitas do longa baseado em livro homônimo de Martha Medeiros...



Depois de um sábado de trabalho, entrei no Odeon e fui conferir o badalado filme protagonizado pela atriz global. E tive só agradáveis surpresas. Só não me surpreendi com o talento arrebatador de Lília Cabral e com a sua capacidade de se entregar a cada cena. Interpretação irretocável! A cada olhar, a cada gesto, convence e arrebata a plateia. Impressionante!
Pra quem não sabe, Divã conta a história de Mercedes, uma mulher casada há 20 anos, mãe de dois filhos, que resolve fazer análise. Na primeira sessão, descreve a vida como perfeita. Mas, com o avançar da terapia, se vê mergulhada num caldeirão emocional. Entusiasmada, resolve experimentar um novo parceiros depois que descobre a traição do marido.
E por aí vai...
As cenas em que a personagem aparece diante do analista são engraçadas. E tocantes. Aliás, acho que é limitador demais definir Divã como uma comédia. O filme - e o texto - vão muito além disso!
Mas quando é pra fazer rir, Lília o faz com competência! A cena da boate - com Cauã Reymond - é divertidíssima! Assim como as sequências no cabeleleiro - nas quais a protagonista tem as companhias primorosas de Paulo Gustavo e Alexandra Richter. E a cena no single bar é de chorar de rir!
Além da protagonista, todo o elenco se mostra adequado. Alexandra Richter aproveita todas as cenas para mostrar sua capacidade - e ela não se restringe apenas a fazer rir. Paulo Gustavo, em pequena participação, dá o tom perfeito para o cabeleireiro afetado e cheio de tiradas sensacionais. Entre os galãs, José Mayer e Cauã Reymond dão conta do recado, enquanto Reynaldo Gianecchinni apenas parece repetir um dos seus habituais tipos de novela.
Trilha sonora e fotografia ajudam a contar bem essa história que é, ao lado da interpretação de Lília, o maior mérito do filme...
Não vou dar mais detalhes pra não estragar a surpresa, mas recomendo Divã a todos! É bom a gente ver e pensar que nada é definitivo, que tudo pode mudar o tempo todo. E que cada momento é único e esforçar-se para que ele seja, também, feliz, é o que de melhor cada um de nós pode fazer...

Barraco no show de Ricky Vallen?

Essa notícia eu recebi por telefone...
Minha mãe e algumas amigas foram ao show do cantor nessa noite. No meio do espetáculo, a produção do Ricky percebeu que uma senhora estava filmando a apresentação. E pediu que ela parasse de gravar, explicando os inconvenientes que essa prática - e a posterior postagem na internet - acarreta a artistas e gravadores.
Mas a senhora protestou.
Momentos depois, enquanto o artista cantava, a senhora subiu ao palco e o interrompeu pra dizer que havia sido destratada pela equipe de produção. O cantor, cordial, quis saber o que havia. Diante da insistência da mulher, Ricky deu o microfone para que ela se explicasse. Ela reclamou por estar sendo vigiada. E não queria deixar o palco.
Ricky, então, pediu que a senhora se retirasse do palco. Diante da negativa, o cantor chamou a segurança e disse que ela estava atrapalhando o show. Depois, voltando-se para a produção, o artista explodiu: "Devolvam o dinheiro dessa senhora! Não quero nada dela! Podem dar até o dinheiro da passagem!"
Climão, hein?
E você? Acha que a razão está com quem?
E se você esteve no show, conte como percebeu essa situação...
Polêmica à vista...
PS.: E minha mãe, que é fã de carteirinha, ainda entrou no camarim e chegou agora em casa com foto autografada e tudo! Se soubesse, nem teria comprado outro presente de Dia das Mães...rs

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Pequeno traíra...

Entrei na van hoje pra voltar pra casa. Atrás de mim, uma jovem mãe estava ao celular. Foi inevitável e eu acabei ouvindo:
- Ah, Guilherme! A mamãe tá chateada com você deu o meu presente pro papai!
A história chamou minha atenção. Acabei prestando atenção deliberadamente. E percebi que o interlocutor da jovem tinha mudado...
- Oi, amor! Tô saindo daqui agora. Quando estiver chegando eu ligo.
Pausa. E ela continuou:
- Ele tá chorando? Bota ele no telefone...
Pausa. E ela seguiu, num tom doce que só as mães têm:
- Oi, Guigui! A mamãe não tá chateada com você não! A mamãe te ama e tava só brincando...
Pausa.
- Não, meu amor! Pode ficar sossegado que no dia das crianças a mamãe não vai dar seu presente pra nenhuma outra criança não, tá?

Até tentei, mas não consegui conter a risada...

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Adriano no Flamengo!!!

A notícia é de ontem, mas vale a pena comentar: é muito bom ver Adriano feliz e sorridente, arrepiado ao vestir a camisa rubro-negra!
Que ele dê a volta por cima, espante o baixo-astral e mostre porque merece a coroa de imperador...

Cárie zero!

Era um bar. Amigos estavam reunidos depois do expediente. Bebidas, salgadinhos, papo furado. Mulheres bonitas. Olhares. Indiretas. E eis que uma menininha adentra o recinto, pacote de balas nas mãos. Bate no ombro de um dos cidadãos:
- Tio, compra bala?
E ele, doce como fel, responde:
- Bala estraga os dentes!!!
Faz-se necessário dizer que a garota evaporou?

Veja como é fácil!!!

Era um bar. Amigos estavam reunidos depois do expediente. E um deles pega um celular. Novo. Na caixa. Começa a inumerar os infinitos recursos do aparelho. Muitos megapixels. Muito espaço na memória. Bluetooth...
Mas na hora de falar da navegação intuitiva, ele disparou:
- Sem contar que a mexibilidade é muito boa!!!
Foi ao vivo. Porque, sem dúvida, se fosse por telefone, a ligação teria caído...

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Sobre o transplante de rosto...

Confesso, fiquei chocado com as imagens da americana que recebeu um rosto novo num transplante realizado nos Estados Unidos. Por vários motivos! Primeiro, chocado porque, hipocrisia deixada de lado, o resultado está longe de parecer natural.
Mas fiquei igualmente chocado pela incrível capacidade da medicina em se superar. Li a reportagem no site de O Globo e pensei: "caramba! Foi exatamente pra isso que Deus nos fez humanos e inteligentes!". Esses médicos simplesmente devolveram a vida à essa mulher, vítima de uma violência absurda. Reconhecer e aplaudir essa vitória médica é, antes de tudo, valorizar a vida. E a humanidade!
Também fiquei chocado com a força dessa mulher que, aos 46 anos, renasce. Ganha o mundo com o rosto de outra pessoa, ainda deformado, e se mostra tão agradecida aos médicos, a Deus e à família. Tão cheia de fé! Tão grandiosa e tão capaz de nos mostrar o quanto são pequenos os problemas que elegemos para que pareçam grandes e, assim, acabem nos roubando o precioso tempo nesse plano...
Agora, não posso deixar de dizer que também fiquei chocado com a pena imputada ao autor do disparo que desfigurou o rosto da mulher. Sete anos! Apenas sete anos! Será que isso paga toda a dor e todo sofrimento pelos quais ela passou durante esse período? Será que sete anos pagam a angústia de passar por mais de 30 cirurgias?
Duvido muito...

Sobre a proposta de reforma política...

Depois do castelo do deputado, das dezenas de diretorias do Senado e da farra das passagens aéreas, lá vem a classe política brasileira propor uma novidade bombástica: a ideia de que o eleitor passe a votar apenas nas legenda e os candidatos figurariam numa lista elaborada...pelo próprio partido!
Essa proposta de reforma política com a criação de um voto em lista é uma vergonha! Com os quadros políticos que temos, já dá pra imaginar quais os critérios que determinarão que um nome figure no topo das listas. E, consequentemente, dá pra vislumbrar o nível de representantes que teremos no Congresso...
Diante de tantas polêmicas recentes vindas lá da capital e, agora, de mais essa proposta absurda, eu fico cada vez mais impressionado com a falta de sensibilidade que alguns políticos não se cansam de demonstrar. Era hora de mostrar trabalho, de pensar em prol do país e de seu povo!
Caramba! Será que os caras não estão percebendo que o filme deles tá pra lá de queimado?
Há luz no fim desse túnel?