segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Sobre o temporal de ontem no Rio...

A TV Brasil, onde trabalho, fica na Lapa. A Lapa fica no coração da cidade do Rio de Janeiro. É uma região de casarões antigos, belíssimos; de bares e restaurantes descolados; sem falar na tradicionalíssima alcunha atribuída ao bairro: de "berço da boemia carioca".
Faz oito anos que a Lapa faz parte da minha rotina diária. E confesso: adoro isso!
Mas não posso deixar de sentir vergonha, como cidadão, de ter que me preocupar toda vez que começa a chover mais forte. A Lapa, meus amigos, além de todas as características que já citei, é também um eterno convite ao alagamento sempre que São Pedro pesa a mão sobre nós. E não é de hoje: entra ano, sai ano, a história se repete.
Ontem não foi diferente. Contei no relógio: em pouco mais de 10 minutos de chuva forte, as ruas do bairro já estavam tomadas pela água. Água suja de esgoto, de bueiros que ninguém parece limpar e desentupir. Água fétida; que não exige especialização em biologia para atestá-la, também, como contaminada.
Ilhado na lanchonete ao lado da TV depois de um lanche rápido, fiz com o celular os flagrantes da chuva que ilustram esse post. E vi velhos e crianças passando por essa água lamacenta. Vi muita gente ficar na mão; vítimas incontáveis dos guarda-chuvas vagabundos desse nosso estranho tempo. Vi carros pararem, incapazes de seguir rua (rio???) adentro. Barcos seriam muito mais apropriados, ontem, para qualquer trajeto que incluísse as principais ruas da Lapa.
Fico me perguntando o que fazem as autoridades entre o término de uma temporada chuvosa e o início da seguinte. E tento me esforçar para acreditar que elas fazem algo. Todos os anos são as mesmas imagens, são os mesmos problemas. É a Lapa. É a Baixada Fluminense. É a Região Serrana. É a Zona Oeste...
É essa tragédia anunciada de todos os anos que fica em nossa cabeça como um calendário em contagem regressiva, só esperando para que o triste espetáculo da negligência comece uma vez mais...

PROMOÇÃO NATAL ALEGRE NO
B@BELTURBO. CLIQUE AQUI E SAIBA COMO PARTICIPAR!!!

4 comentários:

  1. Ahh murilo vc preciso ver esse chuva aqui na serra! quando e tão forte a gente não pode sair da casa (eu moro no ponto mais alto da cidade) pq ficar como um rio (realmente forte!) nas ruas e nem carros nem onibus pode seguir para o centro da cidade!! tudo ficar parado nos rios e lama...
    e pessimo e quero mudar logo!!
    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Olá Murilo! Moro no Humaitá, na Zona Sul do Rio. A rua em frente a minha casa, acabou de ser recapiada (3x, por sinal...) e ontem busquei a minha filha na escola debaixo de um rio. A creche encheu de água. Enquanto ia para a escola, todos os comerciantes faziam um esforço (quase inútil) de tirar o lixo q entupia os ralos. Foi uma coisa horrível. A Joana e os colegas da escola ficaram apavorados. Na semana passada a casa da D. Marta em São João (lembra dela??) e q trabalha aqui em casa, ficou debaixo d' água. É triste, que a cada temporal isso aconteça. Ano após ano... Bjs!
    Ah! E prepare-se, hoje parece q vai ter um novo temporal...

    ResponderExcluir
  3. Brit: já vi imagens de chuvas fortes por aí e sei que é realmente assustador quando isso acontece.

    Sandrinha: acho que o descaso com a cidade está produzindo esse despreparo generalizado para as grandes chuvas. Se antes era regiões isoladas e sem infra-estrutura que penavam com as inundações; hoje a gente vê que praticamente todo o Rio fica submerso sempre que chove mais forte. Por isso escrevi o texto! Não é possível que todos continuemos a encarar essa tragédia repetida como "fatalidade"...
    Bj!

    ResponderExcluir
  4. ô biscoito, vcs ñ sabem votar, aí ficam reclamando qdo a porca torce o rabo.se ñ esta bom, mude-se pra bsb, por exemplo. agora outra coisinha, peru d fora ñ mete o bico. volta pra onde estava e para d reclamar da terra dos outros. alguém convidou?

    ResponderExcluir